Tech InDepth: Entendendo a Web 3.0

Web 3.0 é provavelmente um termo sobre o qual você tem lido cada vez mais nos últimos meses, especialmente se você acompanha tópicos como criptomoeda, blockchain e o futuro da internet. Mas o que exatamente é a Web 3.0? Existe uma Web 2.0 e Web 1.0 também? O que se espera que mude com a Web 3.0?

Estas são algumas das questões que veremos na edição de hoje do Tech InDepth.

Quem são esses Números da web?

Imagine a internet e os marcos importantes de como as pessoas interagem com ela desde o início da World Wide Web. Esta longa jornada é oficialmente dividida em três fases ou gerações. Estes são denominados Web 1.0, Web 2.0 e Web 3.0.

Não há linhas concretas que definam o início ou o fim de cada fase, e também não há um corpo diretivo que decida isso, então quando cada fase termina, o que ela representa, ou quando termina, é tudo subjetivo.

Ao contrário das conexões de celular, onde 2G, 3G, 4G e agora 5G têm limites distintos em termos de velocidade de dados, a tecnologia envolvida e os recursos que ela permite. Mas Web 1.0, Web 2.0 e Web 3.0 são conceitos.

O que é Web 3.0?

A Web 3.0 é considerada a próxima fase, sucessora da Web 2.0, que é considerada a fase atual. Antes de entrarmos em mais detalhes, vamos entender a jornada até agora.

A Web 1.0 é considerada a primeira fase, onde a maior parte da web acessível às pessoas foi Somente leitura, permitindo que os usuários simplesmente leiam o conteúdo e não interajam realmente com ele. Isso incluiu conteúdo como sites de notícias, portais e mecanismos de busca. A web inteira nessa época era essencialmente como um grande site com várias páginas, todas com hiperlinks umas para as outras.

Com a Web 2.0, o principal novo aspecto que entrou em jogo é a interação. Conceitos como ‘gostar’ de algo que você lê nas redes sociais, ‘comentar’ vídeos e compartilhar conteúdo interessante tornaram-se tendências predominantes.

O conteúdo também começou a se tornar mais direcionado ao usuário, onde os sites se alimentavam de dados do usuário para analisar padrões e alimentar os usuários com conteúdo que eles provavelmente apreciariam, por sua vez, gastando mais tempo nos sites. Isso também se tornou uma fase em que os anúncios começaram a aparecer nas páginas, novamente com base nesses bits de dados, e a monetização do conteúdo começou a crescer.

À medida que avançamos para a Web 3.0, espera-se que uma tendência importante seja a descentralização. Este é basicamente um conceito que tira o poder e/ou controle de uma única pessoa ou corpo e o entrega às massas.

Descentralização, blockchain e outras tendências da Web 3.0

Um bom exemplo disso é a criptomoeda, que é essencialmente uma moeda descentralizada que não é governada ou monitorada por um único governo, mas sim operada e gerenciada pelas próprias pessoas que a cunham e usam em um processo simultâneo. Confira o artigo abaixo para mais informações sobre isso.

O ponto principal do elemento de descentralização na Web 3.0 é considerado por muitos como trazer o controle de volta aos usuários, em vez dos criadores. Os serviços da Web 2.0, por exemplo, podem travar quando os servidores de uma determinada plataforma ficam offline na sede. Isso, no entanto, não seria possível com uma plataforma Web 3.0 que essencialmente é executada por todos que a utilizam, em várias cópias atualizadas simultaneamente por meio de uma rede P2P (peer-to-peer), como torrents.

Considerado o próximo grande elemento da Web 3.0 é o blockchain. Blockchain, a espinha dorsal da criptomoeda, também é fundamental para como as propriedades de ativos digitais serão verificadas e validadas nos próximos anos. Assim como os NFTs (tokens não fungíveis), espera-se que surja outra tecnologia baseada em blockchain, onde apenas proprietários de conteúdo verificados obterão benefícios monetários de ativos, e não intermediários.

A Web 3.0 também deve mudar a forma como a monetização e o marketing funcionarão em maior escala, com a Inteligência Artificial (IA) alimentando tecnologias como o Processamento de Linguagem Natural (NLP), que deve tornar a interação com computadores mais parecida com a interação com outros humanos, em vez de com uma máquina.

Isso será impulsionado ainda mais pelo crescimento da tecnologia 3D, hardware AR/VR e novos designs de interface do usuário. O Metaverso, outro conceito que define um universo digital paralelo ao nosso, inteiramente alimentado pela tecnologia da nova era, também deve desempenhar um papel importante na transição para a Web 3.0.

Claro, não há como dizer quando a transição para a Web 3.0 será observada, pode ser rápida ou gradual que talvez já estejamos experimentando agora. De qualquer forma, espera-se que a Web 3.0 mude a forma como a Web funciona, como interagimos com ela e para que a usamos em um futuro próximo.