Maiores exemplos de arte da moda: abrir as comportas da inspiração


Moda e arte andam de mãos dadas. Foram inúmeras as vezes em que a arte inspirou a moda e vice-versa. Mas será que se conhece as maiores inspirações que levaram à criação de belas modas por grandes estilistas? Neste artigo, vamos mergulhar nos maiores exemplos de arte da moda que abriram as comportas da inspiração na moda.

Arte da moda: inspiração de todos os tempos

  • Madame Vionnet: A artista de história antiga

Madame Vionnet, que nasceu em 1876 no centro-norte da França, era conhecida como “a arquiteta das costureiras”. Ela ficou encantada com a cultura e a bela arquitetura e arte das civilizações grega e romana, bem como por antigas deusas e estátuas, durante seu tempo em Roma. Ela desenvolveu sua estética em torno dessas obras e combinou os estilos de tão grande arte e arquitetura dos gregos para dar uma nova profundidade à figura feminina. Ela reinventou a moda moderna com seu domínio de drapeados e roupas de corte viés. Vionnet inspirou-se para suas coleções imaginativas de obras de arte como a Vitória Alada de Samotrácia.

A musa de Vionnet tem uma notável semelhança com a obra-prima da arte helenística. O amplo drapeado do tecido, inspirado no chiton grego, gera faixas verticais de luz que percorrem a figura. A escultura foi feita como uma homenagem a Nike, a deusa grega do triunfo, e é elogiada por sua representação precisa do movimento. O design da Vionnet tem uma cortina fluida que lembra o tecido ondulante que se agarra ao corpo da Nike. Vestidos, como corpos, podem ser considerados seres vivos com alma. Vionnet desenvolveu roupas que despertam as pessoas, bem como a Vitória Alada de Samotrácia. Vionnet conseguiu transmitir sua ideia em harmonia matemática graças ao classicismo, tanto como filosofia estética quanto de design.

  • Alexander McQueen: O artista gótico vitoriano

Alexander McQueen lidera a corrida para ultrapassar as fronteiras da moda com suas criações violentas e delicadas. Ele foi descrito como um artista romântico. McQueen, que é apaixonado por belas artes, começou cada coleção com um conceito ou ideia para a apresentação na passarela, que evocava arte e performance de vanguarda. Ele teria um storyboard sofisticado com muitas referências de arte, filmes e música após a noção.

Sua coleção Romantic Gothic é uma combinação de história escocesa e cultura gótica vitoriana. Foi retratado em sua coleção romântica Exoticism. Ele também explorou seus interesses em outras culturas, como Japão e China, como retratado em seus desenhos e estampas de quimonos, explorando temas na arte. Ele foi um precursor entre os designers porque viu além das limitações físicas das roupas.

  • Valentino: A peça de Hieronymus Bosch

O principal designer de Valentino é Pierpaolo Piccioli. Ele é particularmente atraído por obras de arte religiosas da Idade Média. Para ele, a passagem da Idade Média para o Renascimento do Norte serve como fonte de inspiração. Na primavera de 2017, ele se juntou a Zandra Rhodes. Juntos, eles desenvolveram uma coleção emocionante. Piccioli pretendia ligar a cultura punk do final dos anos 70 ao humanismo e à arte medieval, então ele retornou ao seu passado renascentista, inspirando-se na obra-prima de Hieronymus Bosch, The Garden of Earthly Delights. Durante o século 16, o famoso artista holandês foi um dos expoentes mais proeminentes do Renascimento do Norte. Bosch pretendia mostrar o Céu e a criação das pessoas, a primeira tentação com Adão e Eva, e o Inferno, esperando os ímpios, em seu Jardim das Delícias Terrenas, que pintou antes da Reforma. As pessoas parecem estar saciando seus desejos em um ambiente de busca de prazer no painel central. A inventividade e a sensualidade das imagens da Bosch se destacam. A imagem inteira tem sido considerada como uma metáfora do pecado.

  • Elsa Schiaparelli: O mergulho no surrealismo

Do final da década de 1920 até a década de 1950, Elsa Schiaparelli desenhou roupas italianas coloridas e estabeleceu seu nome em Paris. Colaborações entre Schiaparelli e artistas que também eram amigos levaram a algumas das peças mais conhecidas da alta costura do século XX.

Jean Cocteau colaborou em um casaco de noite que cria o efeito visual de um vaso de flores que se transforma em vários lados de perfil, enquanto Schiaparelli colaborou com Salvador Dali no ‘Vestido Lagosta’. A relação de Elsa Schiaparelli com o florescente mundo da arte a catapultou para uma nova arena. Ela estava interessada em arte, cultura, ideias e inovação, não apenas beleza e tendências passageiras da moda. Finalmente, Schiaparelli se destacou em suas interações com a maior comunidade intelectual, e sua estética peculiar e elegante influenciou outros designers como Muccia Prada.

  • Dolce and Gabbana: A sedução de Peter Paul Rubens

“Com amor, erudição e diligência”, Peter Paul Rubens retratou as mulheres maravilhosamente. Sua “Vênus na Frente do Espelho” foi oferecida como o epítome final da beleza. Rubens capturou lindamente sua linda pele e cabelos loiros, que contrastam com a serva de tez escura. O espelho, que emoldura a dama como um quadro enquanto realça delicadamente a nudez da figura, é o símbolo máximo da beleza. Cupido segura um espelho para a deusa, que expõe o reflexo de Vênus como símbolo do desejo sexual. Rubens, um dos criadores da pintura barroca, impactou vários estilistas, incluindo Dolce & Gabbana, com sua crença de que “as cores são mais essenciais que as linhas”.

Domenico Dolce e Stefano Gabbana buscaram desenvolver uma campanha que celebrasse os aspectos sensuais e românticos da beleza feminina. A fonte de inspiração mais aceitável foi Peter Paul Rubens. As obras-primas da lendária dupla estavam inextricavelmente ligadas à obra do artista flamengo. Os modelos se destacavam com tremenda grandeza nesta série, como se tivessem acabado de sair de uma das pinturas de Rubens. O conjunto foi criado para parecer espelhos barrocos com detalhes em bordado. A roupa de brocado rosa foi brilhantemente destacada pela beleza dos modelos e pelo esquema de cores pastel. A decisão dos estilistas de usar uma transmissão de modelos destacou ainda mais a forma do corpo da época.

As imagens coloridas e serigrafadas de Andy Warhol de Marilyn Monroe e outros ícones icônicos foram incluídas na coleção Primavera 1991 de Gianni Versace. Gianni Versace foi inspirado por uma variedade de fontes, incluindo arte tribal africana e arte grega antiga, além da arte moderna. A adoção de Versace do crânio de medusa como sua marca registrada, que significava força feminina, refletiu o impacto da mitologia grega. Um vislumbre da Medusa transformaria qualquer um em pedra: ela surpreendeu a muitos com seu comportamento dominante e serpente nos cabelos, que adquiriu depois de perder um cônjuge durante um caso. Versace retornou às suas origens italianas estudando pinturas sagradas do pintor renascentista Botticelli. Muitas das coleções da Versace incluem materiais delicados e cortes sinuosos, com figuras representadas como sereias e sereias, ecoando cenários da arte neoclássica à romântica.

Arte da moda
  • Balenciaga: uma história do maneirismo

Cristóbal Balenciaga foi um grande mestre da moda que revolucionou a moda feminina no século XX. Ele nasceu em uma pequena aldeia na Espanha e infundiu suas obras atuais com a alma da história da arte espanhola. Balenciaga foi influenciado pelo Renascimento espanhol ao longo de sua carreira. Ele se inspirou regularmente na nobreza espanhola e nos membros da igreja. Balenciaga transformou roupas religiosas e monásticas em obras-primas de moda acessíveis durante o período.

El Greco, também conhecido como Dominikos Theotokopoulos, foi uma de suas maiores influências. Há uma semelhança entre a capa do cardeal e o desenho de Balenciaga ao olhar para o cardeal Fernando Nio de Guevara, de El Greco. A imagem representa Fernando Nio de Guevara, um cardeal espanhol durante a estadia de El Greco em Toledo. Os pensamentos de El Greco foram influenciados pelo neoplatonismo durante o Renascimento italiano, e ele retrata o cardeal como um símbolo da graça de Deus nesta imagem. O maneirismo é evidente em toda a imagem. A figura estendida com a cabeça pequena, os membros bonitos mas estranhos, as cores fortes e o abandono das medidas e proporções clássicas são evidências disso.

Este luxuoso casaco de noite da coleção de 1954 da Balenciaga demonstra seu entusiasmo por trajes históricos. Ele tinha a visão e aptidão para reimaginar formas para a moda de hoje. A gola oversized deste casaco ecoa a folga da capa do cardeal. As vestes escarlates do cardeal representam sangue e sua prontidão para morrer por sua religião. A cor vermelha vibrante foi considerada excepcional pelo famoso designer, conhecido por suas combinações de cores ousadas e cores deslumbrantes. Eliminar a cintura e substituí-la por linhas fluidas, cortes simples e mangas três quartos foi sua maior invenção – Balenciaga alterou a moda feminina ao fazê-lo.

Se os leitores estiverem interessados ​​em aprender mais sobre moda e suas maiores inspirações, visite Fashinza. Fashinza é uma plataforma de fabricação de vestuário business-to-business (B2B). Conectamos fabricantes de vestuário com fornecedores para ajudá-los a produzir suas coleções. As marcas parceiras simplesmente precisam fazer o pedido; nós lidamos com todo o processo de produção desde o design até a entrega. A plataforma Fashinza permite que as empresas façam pedidos, rastreiem, recebam atualizações diárias de produção, entrem em contato com produtores e paguem por eles. A Fashinza torna o processo de produção de vestuário simples, rápido e transparente.